Texto 2
qual-atmosfera-inovacao
Texto 2
qual-atmosfera-inovacao

Qual é a atmosfera propícia para a inovação?

Quando falamos em inovação e times inovadores é difícil ocorrer qualquer associação com o exército – umas das instituições mais tradicionalistas do mundo atual. Pois é, até mesmo as Forças Armadas dos Estados Unidos perceberam que teriam que rever sua organização se quisesse ter chances de vencer.

O general Stanley McChrystal, comandante da Força-Tarefa Conjunta de Operações Especiais no Iraque em 2003, escreveu um livro sobre “adaptabilidade organizacional sustentada” chamado Team Of Teams. Ele afirma que as equipes mais poderosas e bem-sucedidas são caracterizadas pelas seguintes qualidades: orientada por um propósito, em rede, colaborativa, não hierárquica, dinâmica, destemida, não convencional, inclusiva, criativa, empática, autônoma, transparente, confiável, responsiva e imediata.

E se você pudesse combinar a adaptabilidade,

Agilidade e coesão de uma pequena equipe com

Poder e recursos de uma organização gigante?

Entenda o contexto e a reformulação da organização no trecho abaixo.

Quando o General Stan McChrystal assumiu o comando da Força-Tarefa Conjunta de Operações Especiais em 2003, rapidamente percebeu que as abordagens da liderança militar convencional estavam falhando. A Al-Qaeda no Iraque era uma rede descentralizada que podia se mover rapidamente, atacar impiedosamente e aparentemente desaparecer na população local. As forças aliadas tinham uma enorme vantagem em número, equipamentos e treinamento – mas nada disso parecia importar.

Para derrotar a Al Qaeda no Iraque, McChrystal e seus colegas descartaram um século de sabedoria convencional e reformularam a força-tarefa, em meio a uma guerra duradoura, em algo novo: uma rede que combinava a comunicação transparente com a autoridade descentralizada de tomada de decisão. As paredes entre os silos foram derrubadas. Os líderes analisaram as melhores práticas das unidades menores e encontraram maneiras de estendê-las a milhares de pessoas em três continentes, usando a tecnologia para estabelecer uma unidade que teria sido impossível mesmo uma década ou duas antes. A força-tarefa tornou-se uma “equipe de equipes” – mais rápida, mais plana, mais flexível – e venceu a Al Qaeda.

Este é o perfeito exemplo de que mesmo as mais tradicionais e consolidadas organizações precisam de inovação, e para inovar é necessária esta atmosfera mais livre, onde os indivíduos são incentivados a pensar diferente, as tomadas de decisão são descentralizadas e de forma rápida, flexível e transparente.